MINHA CONTA

FAVORITOS

MINHA SACOLA

Abaixo o menu MOBILE

Por que amamos glitter?

Glitter

Inspirados no brilho das estrelas, reluzentes, cintilantes, com brilhos intensos e ao mesmo tempo suaves… essas são algumas características do glitter, fáceis de perceber e cheio de vida.

Recentemente vimos um texto sobre o porque amamos tanto o glitter, e o como ele está conectado com a nossa necessidade primitiva ligada a água, que remete o reflexo do sol ou da lua, o brilho das estrelas, além de apresentar também que temos um prazer básico por coisas bonitas, atraentes, que “brilham” aos nossos olhos.

Reunimos o texto do estudo na íntegra logo abaixo, para que possam conferir o material completo e se tiver interesse em ver nossa família de Papéis Glitter, é só acessar: https://papelavulso.com.br/categoria-produto/metalizados/papel-glitter/ 🤩

Confira abaixo o texto na íntegra:

Porque amamos glitter: uma teoria biológica

Publicado por Mantra Alternativididades no Medium

A evidência de que as pessoas são atraídas para coisas brilhantes está ao nosso redor: das páginas de revistas de estilo de vida ao estoque de páginas de revistas de estilo de vida. Uma explicação lógica para essa afeição cultural é que nós associamos gloss a riqueza e luxo. No entanto, se a história terminasse aqui, não esperaríamos que crianças muito jovens curtissem coisas brilhantes tanto quanto adultos, nem esperaríamos que tribos remotas, como os Yolngu da Austrália, celebrassem a estética cintilante tanto quanto nós. Há claramente um pouco mais de glitter do que ouro.

Recentemente, um grupo de especialistas em marketing considerou a questão de um ângulo evolutivo. Eles ficaram intrigados com algumas pesquisas anteriores mostrando que “as crianças que foram presenteadas com objetos brilhantes as lambiam”, disse uma das estudiosas, Vanessa M. Patrick, da Universidade de Houston, à Co.Design. Naquele trabalho, publicado há vários anos, crianças de sete a 12 meses colocam suas bocas em placas brilhantes muito mais do que as sem brilho. As crianças também foram vistas brincando com brinquedos brilhantes no chão, como se imitasse um animal bebendo água de uma poça.

Patrick e seus colegas colaboradores, da Universidade de Ghent, na Bélgica, imaginaram se haveria algo mais nesses relatórios do que as crianças sendo apenas crianças. Talvez a conexão entre beber e design brilhante fosse um artefato evolutivo — um sinal de que nossa queda pelo brilho está enraizada em um desejo primitivo pela água como um recurso vital.

Então, eles projetaram uma série de seis experimentos para testar essa ideia. Primeiro, eles demonstraram que a preferência pelo brilho é uma reação natural, e não uma associação aprendida com a boa vida. Isso não foi muito difícil. Em dois levantamentos simples, eles estabeleceram que tanto adultos (através de folhetos) quanto crianças de quatro a cinco anos de idade (via fotos do Papai Noel) preferiam acabamentos brilhantes a foscos. As crianças eram jovens demais para apreciar os esforços de marketing que conectavam o brilho com a riqueza; até certo ponto, a preferência deles era inata.

Nossa paixão pelo brilho pode estar enraizada em um desejo primitivo de água.

O apelo do brilho pode não estar totalmente ligado à riqueza, mas ainda pode refletir um prazer básico de coisas bonitas. Para estudar essa possibilidade, os pesquisadores vendaram 46 participantes do teste e entregaram-lhes um pedaço de papel. Metade recebeu um lençol brilhante, metade de uma folha fosca. Os participantes que seguraram a folha brilhante classificaram-na como mais alta qualidade e mais atraente do que aqueles no grupo fosco — mesmo sem dar uma olhada nela.

Os testes sugeriram que há mais no brilho do que na conexão cultural ou no apelo visual. Essas descobertas, por si só, não significavam que a necessidade biológica de água tivesse um papel, mas os pesquisadores reuniram algumas pistas para esse efeito. No teste da venda, por exemplo, os participantes imaginaram mais água quando solicitados a imaginar uma paisagem representada na página — mostrando uma ligação percebida entre brilhante e molhado. Em outro teste, este sem as vendas, os participantes classificaram as imagens aquáticas como mais brilhantes que as do deserto, embora na verdade não houvesse diferença.

Como experimento final, os pesquisadores dividiram 126 participantes do teste em três grupos. Um grupo comeu um monte de bolachas sem água. Outro comeu as bolachas mas também bebeu um pouco de água. Um terço não fez nenhum dos dois. Depois, cada grupo olhou para oito fotografias, metade em papel brilhante e metade em fosco. Todos os três grupos preferiram as fotos brilhantes, mas os grupos que haviam comido bolachas classificaram-nos como muito mais atraentes. E os participantes mais sedentos, em outras palavras, quanto maior o desejo deles por água, mais eles preferiam brilhar.

Tomando todas as suas descobertas em conjunto, os pesquisadores argumentam em uma edição do Journal of Consumer Psychology que um instinto para a água pode de fato desempenhar um papel no afeto pelo brilho. “Em primeiro lugar, este artigo mostra que nossa preferência pelo brilho pode ser profunda e muito humana”, diz Patrick. “É humilhante reconhecer que, apesar de nossa sofisticação e progresso como espécie, ainda somos atraídos por coisas que atendem nossas necessidades inatas — neste caso, a necessidade de água.”

Publicado por Mantra Alternativididades no Medium, com uma tradução livre: https://medium.com/@mantra.alternatividades/porque-amamos-glitter-uma-teoria-biol%C3%B3gica-9e356e81fb11

Texto original: https://www.fastcompany.com/3024766/an-evolutionary-theory-for-why-you-love-glossy-things

Compartilhe este conteúdo com a sua rede:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no facebook
ÚLTIMAS DO BLOG

CADASTRE-SE

para receber novidades

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site.